fbpx

O tabagismo pode causar alterações na voz, na boca e na garganta,

  • 2019 maio 30
Doenças da voz, boca e garganta também que podem estar relacionadas ao tabagismo

 

Além do temido câncer, o tabagismo pode causar alterações na voz, na boca e na garganta.  No dia Mundial sem Tabaco, celebrado em 31 de maio, várias  áreas da medicina advertem sobre os graves problemas relacionados ao hábito de fumar.

“Fumar causa irritação na mucosa do nariz, da boca e da laringe. Entre os diversos problemas nessas regiões do organismo, o fumante pode desenvolver halitose, rouquidão ou, até mesmo, câncer na laringe, para citar apenas alguns”, alerta o otorrinolaringologista  Alexandre Enoki, do Hospital Paulista.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), as doenças crônicas não transmissíveis – como diabetes, câncer e doenças cardiovasculares – são responsáveis por mais de 70% de todas as mortes no mundo, e o aumento da ocorrência dessas doenças tem sido impulsionado por cinco fatores de risco: o uso do tabaco, a inatividade física, o uso nocivo do álcool, as dietas pouco saudáveis e a poluição do ar.

Desta forma, doenças da voz, boca e garganta também que podem estar relacionadas ao tabagismo. Confira abaixo:

Disfonia
Significa qualquer alteração na qualidade vocal, que deixa de ser normal, e passa a ter características como aspereza, fraqueza, soprosidade, instabilidade, etc. Geralmente, é causada por abusos vocais ou maus hábitos, como consumo excessivo de álcool e cigarro, além de falar e cantar demasiadamente sem realizar um preparo vocal adequado.

Halitose
Doença que causa odor desagradável na boca, que pode ser ocasionada por higiene bucal inadequada, problemas dentários, causas sistêmicas, como refluxo, doenças pulmonares e do fígado ou outras alterações sistêmicas do organismo e, até mesmo, consumo excessivo de álcool e tabagismo.

Câncer na laringe
É uma doença grave que atinge as cordas vocais ou qualquer outra estrutura da laringe. Como consequência, um dos sintomas mais presentes é a rouquidão. Para que o risco de desenvolver o câncer de laringe seja igual ao de uma pessoa não fumante, estima-se que pode levar em torno de oito anos, a partir do último cigarro. O diagnóstico em um estágio precoce (inicial) aumenta muito as chances de sucesso no tratamento, podendo chegar a mais de 95% de cura completa. Um ponto de extrema importância para o tratamento é o abandono do tabagismo, presente em mais de 90% dos casos de câncer de laringe.

Câncer de boca e faringe
O câncer na boca pode acometer os lábios e o interior da cavidade oral, incluindo a língua, gengiva e bochechas. A doença pode também se instalar na região da faringe, estrutura comum ao aparelho digestivo e respiratório, localizada à frente da coluna cervical. O indivíduo que bebe e fuma tem os riscos aumentados consideravelmente de desenvolver o problema nessas regiões.

 

Fonte: Da Redação

 

compartilhe:
keyboard_arrow_up